Projetos Bandeira

ambientes sustentáveis e ilhas verdes baseados no espaço

A contribuição das tecnologias e aplicações espaciais para a proteção dos ecossistemas naturais e da biodiversidade, no combate às alterações climáticas, na abordagem do crescimento populacional, da desertificação e do aumento dos casos de destruição da vida selvagem são cruciais para responder a estes desafios globais.

© 

Das 50 chamadas Variáveis Climáticas Fundamentais (VCF), que os cientistas usam para monitorizar as alterações climáticas, tais como o nível dos oceanos, a salinidade e aerossóis, 26 só podem ser medidas de forma correta a partir do Espaço.

Existem inúmeros instrumentos baseados em tecnologia espacial que contribuem para a monitorização e análise dos ecossistemas e para a avaliação e estudo da biodiversidade e da vida selvagem. A Observação da Terra e a Navegação por Satélite, mas também as Telecomunicações por Satélite estão a ser utilizadas em vários projetos por todo o mundo.

A deteção remota garante-nos uma visão única da Terra para estudos que exigem uma grande cobertura geográfica e/ou observações periódicas, seja para a realização de inventários, levantamentos topográficos, agricultura, hidrologia, geologia, estudos ecológicos em montanhas, mineralogia, cobertura terrestre ou uso dos solos. As avaliações da destruição de ecossistemas são realizadas para acompanhar a evolução no sentido de garantir o cumprimento de objetivos de conservação, monitorização da desflorestação e identificação de ecossistemas em rápida mudança.

A visualização e análise da informação obtida no espaço disponibiliza um contributo substancial para os processos de tomada de decisão em todo o mundo e poderá vir a ser ainda mais crítica em ações desenvolvidas para atingir os objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

O Espaço é igualmente fundamental para as tecnologias verdes emergentes. A mobilidade inteligente, como por exemplo os sistemas de transporte solidários e outras tecnologias de redução de tráfego, e sistemas de eficiência energética mais eficientes, dependem da conectividade proporcionada pelas comunicações por satélite. Esta última só é possível com a Internet das Coisas, construída com base no desenvolvimento das comunicações por satélite. A mobilidade inteligente, traduzida na capacidade de seguir um veículo com precisão para otimizar rotas, irá depender e será construída sobre o sucesso do sistema de geoposicionamento, nomeadamente o sistema europeu de navegação global, Galileo, e na sua cada vez maior fiabilidade, exatidão e precisão.

Portugal está particularmente empenhado no cumprimento de uma agenda ambiental, com especial incidência nos oceanos e nos ecossistemas marítimos. A interdependência entre oceanos e Espaço é o tema da New Space Atlantic Summit, conferência que conta com a presença de um importante conjunto de peritos nacionais e internacionais em ambos os domínios.

A sustentabilidade dos oceanos é tema do AI Moonshot Challenge, uma competição promovida pela Portugal Space com o objetivo de encontrar soluções que permitam identificar e monitorizar os resíduos plásticos nos oceanos, através da recolha de dados de satélite e de métodos avançados de análise de Inteligência Artificial. A motivação principal é contribuir para a limpeza dos oceanos a nível mundial utilizando dados espaciais e sensores in situ.